DIVERSOS – Relembrando o Poeta

Laurindo Rabelo

 

Deus pede estrita conta de meu tempo

E eu vou, do meu tempo dar-lhe conta;

Mas, como dar, sem tempo, tanta conta,

Eu que gastei, sem conta, tanto tempo?

 

Para dar minha conta, feita a tempo,

O tempo me foi dado e não fiz conta,

Não quis, sobrando tempo, fazer conta,

Hoje quero acertar conta e não há tempo.

 

Oh! Vós que tendes tempo sem ter conta,

Não gasteis vosso tempo em passa-tempo;

Cuiďar enquanto é tempo em vossa conta.

 

Pois aqueles que sem conta gastam tempo,

Quando o tempo chegar de prestar conta,

Chorarão como eu, o não ter tempo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.