DIVERSOS – Saiba mais sobre as Baleias

“Todos os anos no começo de julho, as fêmeas da baleia franca-astral (também conhecida como “baleia certa”) chegam ao litoral sul de Santa Catarina.

Elas vêm da região da Antártida, que fica a milhares de quilomêtros distante do Brasil, para dar a luz e amamentar seus filhotes nas águas rasas. Durante muitos meses moradores e turistas que estão nas praias ou penhascos ficam maravilhados de observar as baleias – mães e filhotes descansando ou brincando na água.

Uma fêmea pode chegar a 16 metros de comprimento e pesar até 80 toneladas. Seu corpo gigante geralmente é preto, as vezes com marcas brancas na barriga, a cabeça é enorme ( um quarto de comprimento do corpo), a boca é longa e arqueada. Essa espécie de baleia não tem nadadeira dorsal como algumas tem para nadar para a frente, ela flexiona sua cauda larga e pontiaguda para cima e para baixo em vez de para os lados, como os peixes fazem. Para mudar de direção ela movimenta suas nadadeiras.

Embora sejam enormes as baleias francas são bem ágeis, elas fazem acrobacias impressionantes: boiam com a cauda fora da água por longos períodos, levantam a cauda e as batem com força na água; saltitam e espirram tanta água que dá para ver de longe.

Devido a essa espécie de baleias não ter dentes é difícil saber com que idade elas morrem, mas calcula-se pelo menos 65 anos. As baleias – francas flutuam depois de mortas por causa da enorme quantidade de gordura. Assim os conseguem facilmente  arrastá-las para a praia, daí o nome baleias certas, pela facilidade de caça-las mesmo vivas.

As baleias francas se alimentam de minúsculos crustáceos: em cada lado do maxilar superior elas tem um “filtro”composto por centenas de barbatanas que possuem placas  com franjas  de cerdas finas; ao nadas as baleias abrem a boca , filtrando a água pelas barbatanas  para capturar suas minúsculas presas. Cada baleia pode consumir até 2 toneladas de crustáceos por dia. A baleia franca é um exemplo impressionante da complexidade e da grande diversidade de vida na Terra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *